segunda-feira, 12 de novembro de 2007

TODO MUNDO QUER SER...


O Senso Comum (assim, com maiúscula) diz que todo mundo quer ser amado. E a pergunta que não cala é: "Quem é esse tal de Senso Comum?"
Tem umas coisas que a gente associa ao ser humano como se fossem inquestionáveis, como se fossem verdades incontestáveis mais que absolutas. E esse tópico da vontade de ser amado ser universal vem logo à tona.
Todo mundo, quem?
Eu mesma conheço umas 4 ou 9 pessoas que fazem um esforço medonho para serem odiadas. Elas teimam em fazer tudo para irritar o outro, para merecerem o desprezo, o xingamento, a raiva mais que cruel vinda dos outros.
Você mesmo, aí do seu lado, já deve ter se lembrado de alguém com essas características. É algo mais ou menos como "Não me ame. Eu não valho à pena." que fica no ar. E quem transgride essa regra acaba sendo visto com um olhar profundamente desconfiado, como burro, tonto, tolo. E merecedor de um desprezo muito maior. Afinal, foi gostar logo da pessoa errada.
E a gente, que cantava aquelas coisas bregas e adoráveis tipo "você não soube me amar", que responsabilizavam o outro pela incompetência em realizar essa tarefa tida como tão simples, acaba nem percebendo como é difícil ser amado.
Como é difícil aceitar o afeto dos outros, principalmente se o afeto for do tipo positivo.
E se corta profundamente com a desculpa de não querer machucar ninguém. Mas acaba respingando sangue e farpa prá quem estiver por perto.
Mas por que uma coisa tão boa como o amor tem que doer?
Ai o Freud, que já falava dessa inaptidão para o amor como um sintoma de que a análise é necessária e até urgente...
O cara sabia das coisas!!!
Postar um comentário