terça-feira, 22 de setembro de 2009

ETERNAMENTE RESPONSÁVEL?

Se tem uma história de criança que me arrepiava muito mais do que qualquer Bruxa, Fera ou Lobo Mal era a do tão singelo e viajante 'Pequeno Príncipe".
Não por jibóia ou planeta longe de casa, mas pela eternidade de qualquer escolha que ela me remetia.
"Tu te tornas ETERNAMENTE responsável por TUDO aquilo que cativas". Já viu maldição maior?
Nem cigana, nem mãe, nem madrinha são capazes de rogar praga tão devastadora que nem essa.
Fico imaginado a Juliana Paes com uma fila de marmanjos na frente de casa dizendo: Dá prá mim, Juju, Você me cativou, agora tem que se responsabilizar.
Já pensou?
E o eterno? Como é que fica? Demora ?
Mas deixemos a moça quieta e partamos para os caminhos, as conquistas, as opções. Como é que se cativa? O que é que se cativa?
A gente faz um monte de escolhas na vida, de acordo com determinadas situações, que acabam acompanhando a gente por tanto tempo que a gente nem sabe mais como é que rescinde o contrato. E elas ficam assim mais eternas que os diamantes. Um(a) marido/ mulher; um diploma; uma carreira; um concurso; uma postura política; uma casa com piscina.
Mas é eterno heim?!? Não me venha querer mudar o que você defendeu outrora com tanta graça e donaire. Tem que escolher bem direitinho, pois no fim, a responsabilidade é TODA sua.
É o mesmo que dizer: Olha, você só tem uma bala. E não pode errar o alvo. Ou ainda: A felicidade só bate UMA vez a sua porta. Só uma.
Se saiu prá comprar pão... babau. Ela não manda bilhetinho, não faz segunda chamada, nem deixa recado após o o bip.
Só que tem uns passos na vida da gente que ficam parecendo baratas. Pode explodir bomba atômica que eles não morrem de jeito nenhum. Afinal, se era carreira prá vida toda, se era casório até que morte separe, não pode simplesmente mudar assim. Melhor nem questionar muito. Nem arriscar fraturar a palavra, e ao invés da responsabilidade já falada, vem sim uma culpa tremenda pela escolha do cativeiro. Culpa do passado, ou de um só passo, que acabou degringolando todo o resto.
Mas aí eu pergunto, gajo: Só porque viste a casca de banana cativa, precisas escorregar nela prá reafirmar sua palavra, ó pá?

Postar um comentário