segunda-feira, 19 de outubro de 2009

O MILAGRE ou O DIA QUE PERDI UM CARRO ZERO

Semana passada ouvi de um paciente o quanto ele gostaria muito que algo mágico acontecesse em sua vida. Como ele queria testemunhar um milagre divino.
Eu, do alto de minha curiosidade, questionei que tipo de milagre seria esse. Afinal, com meu raciocínio propabilístico matemático quase nulo, pois nunca fui boa em contas, ainda com essa limitação, me lembrei de alguns casos mágicos em que o sujeito era divido em dois, trasnformado em sapo, ou simplesmente dormia por séculos.
Será que era esse o desejo do paciente?
Questionamos um bocado essa 'coisa maravilhosa' externa que viria, sem o menor esforço do interessado. E nem conto o desfecho da história pois não cabe aqui.
Eu lá, cética toda vida, duvidando de milagre divino por já estar bastante enfadada de manifestações religiosas onde quer que eu vá... Não é que meu celular toca e recebo uma mensagem fantástica?
Acabo de ganhar um citroen.
Meu número foi simplesmente sorteado para ser contemplada com um carro zero.
Maravilha! Vai me resolver vários problemas. e eu nem esperava esse final feliz.
Nunca ganhei nem jogo de par ou ímpar - muita sorte no amor né não?!? Não jogo na loteria e o bicho que sonho é sempre um quase ganhador, um bem parecido, não fosse o bico, a tromba, o rabo ou os dentes.
Então, ó raios, como me escolheram prá esse momento lindo? Logo eu, que por experiências empíricas sempre observei que o que cai do céu ou vem do pombo ou foi abatido pelo tráfico.
Será que era prá eu começar a virar crente e finalmente engolir o tal do 'Segredo'?
Será que alguém quer me convencer que sou mais do que uma em bilhões? Se for isso, quantas serei?
O meu interlocutor não aceitava perguntas, só dizia: minha senhora, a senhora está desconfiada? a senhora deveria estar é muito satisfeita em ser contemplada por esse sorteio. Basta fazer o que lhe digo, encaminhe-se ao caixa eletrônico mais próximo de sua casa que lhe darei as instruções de como receber o seu prêmio.
Me peguei na mesma hora com tudo o que é santo como faz todo mundo que tem essas sortes. Agradeci, orei e confiei.
cof, cof, cof...
Só tossindo mesmo prá cair na real e parar de confiar assim no que venha de fora assim tão de mão beijada. Sem promessa, sem joelho ralado em escadaria, sem vela do tamanho da Gisele Bundchen - vela da minha altura o santo nem quer.
Bom, nisso tudo acabei ficando sem o carro ou valor dele depositado na minha conta. Mas em compensação não tive que financiar o crack de ninguém do presídio de fortaleza - o rapaz do disque-denúncia me falou que vinha de lá a ligação.
Aí volto ao meu paciente e pergunto de novo: que milagre você quer mesmo que aconteça? que mágica é essa que precisa vir de fora, sem sua mínima interferência?
A resposta dele eu já sei.
E a minha é só uma: sem arregaçar as mangas e mudar dentro, fica difícil acontecer alguma coisa boa aqui fora.
Postar um comentário