quarta-feira, 18 de julho de 2007

BALA PERDIDA


eu não posso causar mal nenhum a não ser a mim mesmo

Cantava o Cazuza pela madrugada afora, tentando convencer todo mundo que aqueles cortes na carne, aquelas doses a mais, aqueles beijos sem destinatário só feriam a ele mesmo.
E tá institucionalizada a bala perdida.
Não começou com Cazuza. Claro que não.
Isso é veeeeeeeeeeeeelho!!!
Talvez venha até da Bíblia. Por que não?
Afinal, quem foi que acreditou que era prá amar não só os amigos, como os inimigos também? Quem segue a risca eu já não sei.
Mas que a confusão está formada, isso está.
Achei interessante ressaltar o contrário aqui. O ódio aos amigos, a porrada no ser amado, a agressão à família - não a que cola com tradição e propriedade, mas aquela que a gente tem afinidade mesmo.
Inimigo não aguenta tapa. Ele revida. E feio. Já os eleitos... Tadinhos. Eles têm que aturar cada coisa.
Ôpa. Será que é por aí? Prá não bater em todo mundo na rua, prá não dirigir a agressividade prá quem incomoda, prá não sair bicando os outros de torto à direita, a gente acaba "porrando" quem tá perto e nos mostra algum afeto?
Então não é só o Cupido que é ruim de mira. Nós também.
Mas é complicado mesmo esse negócio de atirar no alvo. Até em discussão de rua fica sempre uma frase que poderia ser dita, mas que na hora a gente nem pensou. Prá não perder a frase, ela acaba saindo na hora errada. Com a pessoa errada. Com a consequencia errada.
E pensando aqui em justiça divina, não será uma grande injustiça tratar todo mundo igual?
Amar inimigo, odiar amigo, convidar chato prá festa - TEM que amar o próximo -, aturar quem a gente não suporta, machucar filho prá atingir ex... Prá que?
Ah é... Mandamento né?
Mas pensando assim só dá prá chamar o Nietzsche. Prá distribuir bananas por aí.
Será que uma mira melhor ajuda?
Um dia eu te conto...
Postar um comentário